Navegando em mares desconhecidos: Como seguir em frente?

Navegando em mares desconhecidos: Como seguir em frente?

A cada dia, empresários, autônomos e prestadores de serviço têm mais dúvidas que certezas, em um cenário novo para todos: o COVID-19. Nada mais importante neste momento que ter informações seguras e confiáveis, para ajudá-lo a seguir em frente, mesmo navegando em mares, por hora, desconhecidos.

O maior desafio de todos agora serão as tomadas de decisões, que terão grande impacto no futuro das organizações, por isso é preciso estar muito bem informado sobre o cenário atual, tendências e buscar conhecer os fatos antes de decidir com base em áudios de whatsapp de procedência questionável.

Publicado recentemente, o relatório da empresa de consultoria McKinsey & Company apresenta dados relevantes que podem ser uma luz em meio às incertezas, como a projeção do comportamento dos consumidores, proteção dos colaboradores, entre outros pontos que analisaremos neste artigo.

Entre as orientações, a primeira diz respeito a duas formas de abordagem do momento, sendo a primeira com relação à ações imediatas,  e a segunda sobre ações de planejamento de prazo intermediário.


Ações Imediatas: Segurança

A primeira e primordial ação é prezar pela segurança de seus funcionários e clientes. Isso não significa o fechamento e enclausuramento total, mas o fornecimento de condições para que todos se mantenham protegidos durante o expediente profissional ou período de consumo.

Para isso, você pode tomar algumas iniciativas, como:

  • Fornecimento de EPIs aos colaboradores

O fornecimento de máscaras, luvas, protetores de acrílico em caixas e balcões de atendimento, álcool gel disponível em todas as estações de trabalho, são exemplos que vêm sendo aplicados em estabelecimentos do varejo e que ajudam a tranquilizar o colaborador.

  • Alternativa de transporte

O uso de transportes coletivos é um dos maiores riscos da manutenção das rotinas de trabalho. Pensando nisso, algumas empresas estão buscando por alternativas de mobilidade segura, que vão desde de bikes e patinetes, individuais e bastante arejados, até carros da empresa higienizados a cada passageiro transportado, e com EPIs para os motoristas.

  • Pias com água e sabão para os clientes

Além do famigerado álcool gel, os estabelecimentos que possuem infraestrutura compatível estão disponibilizando estações para higienização das mãos no interior de suas lojas, comércios e afins.

  • O tradicional álcool em gel

Um dos itens mais comentados, mas não menos importantes, o álcool em gel sendo oferecido para todos os clientes já na chegada ao estabelecimento ajuda a manter o ambiente limpo para todos que o frequentam.

  • Triagem prévia

Em consultórios e locais de fluxo controlado (como academias e clubes), uma medida bastante efetiva é a triagem prévia dos clientes/usuários. Isso se dá através da utilização de um termômetro digital para medir um dos principais sintomas: a febre! Além de perguntas adicionais sobre o estado de saúde da pessoa. Somente após a validação da ausência de indícios de sintomas e risco é que sua entrada é autorizada. Lembrando que o profissional que deve fazer essa triagem deve estar devidamente protegido e capacitado.

Ações Imediatas: Marketing

Após esse cuidado inicial essencial, o segundo ponto imediato a ser observado é o remapeamento do marketing, visando capturar a demanda variável.

O comportamento das pessoas está diferente, mas o consumo da grande maioria dos produtos e serviços continuará existindo, bastando estarmos preparados para se adequar a nova forma de atendimento, venda e entrega buscada neste momento de prevenção e menor circulação de pessoas.

  • Envie mensagens para seus clientes

O envio de mensagens fortalece a lembrança de sua empresa, desperta o interesse do cliente em manter seus hábitos de consumo e oferece um canal de atendimento à distância.

  • Se possível, oferece o serviço de delivery

Alimentos, bebidas, produtos diversos, serviços automotivos, entre outros que não exigem contato físico intenso, podem ser ofertados ao cliente em sua casa. O custo dessa alternativa poderá diminuir um pouco suas margens, mas o faturamento sofrerá um menor impacto no todo.

  • Utilize as redes sociais

A grande maioria das pessoas já está presente nas redes sociais, com perfis comerciais, mas não extraiam até então todo o potencial das mesmas. Através das redes sociais é possível atender, negociar, vender, receber e por vezes até entregar produtos, como é o caso de conteúdos digitais, vídeos, aulas e outros materiais.

  • Aumente prazos e condições

As compras online, por lei, oferecem apenas 7 dias de troca/arrependimento ao cliente e, como muitas pessoas estão em isolamento, essa pode ser uma barreira que limite a compra de roupas, calçados, eletrônicos e outros bens não perecíveis. Uma solução é oferecer um prazo estendido de 30, 60 ou até 90 dias para troca de produtos sem sinais de uso e com notas e etiquetas no lugar.

Ações Imediatas: Fornecedores

Por fim, para fechar o campo de ações imediatas, temos a negociação de suprimentos e insumos para que sua operação não pare de funcionar. Assim como você, seus fornecedores estão enfrentando os mesmos desafios em manter a produção, a segurança das pessoas e o volume de entregas, mas nem sempre é possível.

Eventualmente, materiais importados poderão ter atraso ou mesmo interrupção em seus fornecimentos (em especial os produtos chineses), então é importante revisar, negociar e prever prazos e volumes de entrega de tudo o que é essencial para que sua operação não seja afetada.
 

Após a aplicação das ações imediatas, devemos seguir com o planejamento de médio prazo, que implica em outras searas de magnitude tão importante quanto os passos imediatos, pensando na vida futura de seu negócio.


Ações de Planejamento de Prazo Intermediário: Redução de Despesas e Contingenciamento

As medidas abordadas daqui pra frente são hipóteses de acordo com o acompanhamento da evolução do COVID-19 no mundo, no Brasil e na sua região, então analise de forma crítica as sugestões, mas adapte à sua realidade.

Em momentos de crise é preciso cortar despesas de alto impacto financeiro e baixo impacto na operação.

  • Salários/Pro labores de sócios e diretores

Um ponto onde é possível aplicar reduções significativas é no alto escalão da empresa, onde geralmente estão os custos mais altos com pessoal. Nos momentos de bonança, são as pessoas que mais se beneficiam com os lucros, então é justo que o sacrifício para uma continuidade sólida dos negócios também comece por aqui.

  • Análise de gastos e investimentos

Por vezes, um momento conturbado como esse aparece no meio de uma fase de expansão, onde grandes investimentos estavam sendo realizados ou previstos. Reveja a possibilidade de conter esses gastos, sejam com novas lojas, aquisições, reformas, compras de ativos, ou gastos relacionados. Não é o momento adequado para manter esse perfil de gasto.

  • Mantenha sua exposição em alta

Em tempos de crise, independente do motivo, a tendência é que os cortes atinjam uma área em comum em todas as empresas: o marketing. O problema disso é que, com menos exposição, menos clientes entrarão em contato, gerando um colapso de seu departamento comercial, redução das vendas, perda de receita e exigindo que novos cortes sejam feitos em outras áreas, fazendo com o que a recuperação seja muito mais árdua do que já seria naturalmente. Busque não perder espaço no mercado, exposição e contato com seus clientes.
 

Seguindo estas orientações, temos plena convicção que os riscos ao seus negócio serão minimizados ao mesmo tempo em que a obrigação moral como cidadãos e seres humanos de preservar a saúde de nossos pares será mantida.
 

Sigamos em frente, prezando pela vida dos humanos e dos negócios, de maneira harmônica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *