Reunião discute abertura do comércio aos domingos

ACIAI convocou empresários que puderam se posicionar sobre o assunto, que acabou gerando polêmica

Ânimos exaltados, cobrança de explicações e muita inquietação. Este foi ocenário da reunião desta quinta-feira (28) na Associação Comercial Industrial Agrícola de Irati (ACIAI) com a presença de empresários locais. O objetivo era discutir a respeito da abertura dos estabelecimentos comerciais da cidade aos domingos.

A reunião foi convocada porque a loja TudoCasa, per-tencente ao grupo Ivazko, abre suas portas aos domingos desde a inauguração. Com a reunião ainda em andamento, ficava claro o descontentamento de quase todos os proprietários de estabelecimentos comerciais presentes com a prática. Apesar das reclamações, a TudoCasa está amparada por um acordo realizado entre a empresa e o Sindicato dos Empregados no Comércio de Ponta Grossa e Região.

O Secretário Geral do Sindicato, José Cordeiro, que esteve presente na reunião, afirmou que o órgão iria realizar uma vistoria para averiguar se as cláusulas estão sendo seguidas corretamente e também se o acordo pode ser prejudicial à cidade como um todo. “O acordo assinado com a empresa será verificado e vamos analisar os impactos dele em Irati. Só então poderemos tomar alguma medida, se necessário”, disse Cordeiro.

Apesar de estar legalmente amparada, a TudoCasa age desres-peitando outro acordo coletivo previamente estabelecido pelos associados da Aciai, que impedia o funcionamento aos domingos de grandes lojas comerciais. “Houve um acordo em que quase todas as empresas locais declararam-se contra a abertura aos domingos. Será encaminhado um ofício ao Sindicato dos Empregados repudiando este novo acordo que foi realizado sem o nosso conhecimento”, declarou Mário Luiz Szpak, represen-tante do Sindicato Patronal.

Para o gerente de operações da TudoCasa, Aldo Siatkowski, a loja trabalha com um conceito novo. “Ao abrir em um horário diferenciado, a loja oferece um espaço de compras e de lazer num momento em que a cidade está livre para aproveitá-lo”, defende. Siatkowski ainda disse que a TudoCasa pode agregar valor ao município como um todo. “Um espaço comercial funcionando aos domingos atrai pessoas de outras cidades menores da região e que ainda não têm esse tipo de serviço, fortalecendo o comércio regional. Como estamos próximos ao Parque Aquático, isso pode beneficiar também o turismo local”, citou.

O empreendedor comercial Air Cavalim mencionou que há muito posicionamento contra a abertura do comércio aos domingos por diferentes pontos de vista. “Os funcionários não têm intenção de trabalhar aos domingos e os outros proprietários com quem conversei também não querem abrir as lojas”, comentou.

Arnoldo Krubniki, presente na reunião, vê a falta de um regulamento específico para os domingos. “Ninguém pode proibir o outro de trabalhar. Mas é necessário que a cidade tenha uma regulamentação para isso e que haja um acordo coletivo prevendo a possibilidade de aberturas das lojas, mercados e tudo mais”, argumenta.

O presidente da Aciai, Rogério Kuhn, mostrou-se contra o funcionamento do comércio aos domingos. “Nossos associados, em geral, são contra. Há alguns com a pretensão de abrir, para concorrer com grandes lojas nacionais, como as Pernambucanas, Magazine Luiza, etc. Mas mesmo estes só querem abrir em um domingo por mês. Em todos os domingos, somos contra”, pontua.

Kuhn prevê, porém, exceções a pequenos estabelecimentos. “Comércios familiares, bancas, açougues, mercearias e pequenos restaurantes são casos bem dife-rentes da TudoCasa, então têm o apoio dos associados para abrir aos domingos”, afirma.

Estava visível na reunião uma pressão por parte da Aciai e de todos os empresários presentes em cima do Sindicato dos Empregados no Comércio de Ponta Grossa e Região, que concedeu o acordo à TudoCasa. O Presidente do Sindicato, João Vendelin Kieltyka, defendeu o órgão dizendo que não há favorecimento a nenhuma empresa. “Qualquer estabelecimento tem o direito de solicitar o acordo junto ao Sindicato. Nós analisamos caso a caso e os critérios de ava-liação são os mesmos”, declarou.

Houve também, segundo os representantes da Aciai, uma sensação de enfraquecimento das entidades reguladoras. “Com o acordo feito pela TudoCasa, abre-se um precedente para que qualquer empresa de fora venha para Irati em busca de uma brecha para funcionar no horário que quiser”, comentou Kuhn.

No mesmo dia da reunião, o Sindicato dos Empregados foi até a TudoCasa para verificar se o acordo com a Loja estava sendo cumprido e não havia emitido nenhum parecer até o fechamento desta edição.

Texto e foto: Leonardo Schenato Barroso (Jornal Folha de Irati)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *